A técnica de construção de cenários e a logística no Brasil - Negócios e Carreiras
Home > Estratégia > A técnica de construção de cenários e a logística no Brasil

A técnica de construção de cenários e a logística no Brasil

A técnica de construção de cenários tem relação com a necessidade das organizações pensarem no longo-prazo para que possam competir sustentavelmente. Se nos anos 80, no Brasil, sua infraestrutura já não acompanhava o crescimento nacional daquela época e, ainda, podemos verificar que não acompanha o atual crescimento, é porque os gestores daquela época não executaram suas estratégias alinhadas ao longo-prazo. O país esteve por muito tempo fechado à economia externa. Sua abertura, a partir do início da década de 90, revelou as fragilidades de nossa infraestrutura em relação ao mercado exterior onde a globalização e a inserção de novas tecnologias aceleraram, ainda mais, o processo de mudança do ambiente competitivo.

Nesse sentido, economias mais bem preparadas obtiveram vantagens e condicionaram o restante do mercado a se adequar a certos padrões de competitividade, como qualidade e preço, por exemplo. Ainda, foi a partir dos anos 80 que o estudo de cenários se tornou mais disseminado entre as organizações, sendo um processo alinhado ao planejamento estratégico. Um ambiente global de mercados sugeriu maiores riscos e incertezas ambientais que causaram impactos significativos para os competidores. A inserção de novas tecnologias e a criação de redes corporativas acelerou tangencialmente o fluxo de informações diversas (políticas, econômicas, sociais, financeiras, etc) sobre o mercado, de onde emergiu-se um ambiente instável.

No Brasil, a partir de sua abertura para o mercado externo, as questões de infraestrutura deficitárias ficaram evidentes. Um país que possui tantos rios e uma orla marítima tão extensa poderia usufruir de melhores condições modais, sem contar ferrovias e rodovias que estão tão sucateadas e são insuficientes. Assim como uma empresa precisa pensar em como atenderá certa parcela do mercado, como, onde, quando e quanto produzirá de bens, como irá escoar sua produção, sua estrutura de custos, etc, o governo também precisa planejar e executar projetos que beneficiem a maior fluidez da economia. O governo precisa fornecer uma infraestrutura modal adequada para um desempenho organizacional pleno.

Assim, a construção de cenários pode e deve fornecer informações adequadas que sirvam de base para a criação de novos “caminhos” para aperfeiçoar a economia, principalmente, cenários logísticos que antecipem vantagens competitivas para as organizações. Não se pode prever o futuro, longe disso. A construção de cenários é algo probabilístico, mas calcada em evidências. Para onde a organização (ou país) que ir? Como chegar? O que fazer? São questões que devem orientar a construção de cenários. Ao se planejar e analisar adequadamente um sistema logístico, podemos obter o máximo possível de seus benefícios, entre eles redução de custos, melhoria de serviços (entrega, acondicionamento, pós-venda, etc), maiores margens de lucro, redução de gargalos diversos (plena capacidade, diversificação de modais para escoamento produtivo, etc).

Diego Felipe Borges de Amorim on Linkedin
Diego Felipe Borges de Amorim
Bacharel em Administração - Faculdade Equipe (FAE - Sapucaia do Sul RS). Especialista em Gestão de Negócios - Universidade Luterana do Brasil (ULBRA - Canoas RS), Consultoria e Planejamento Empresarial pela Universidade Candido Mendes (UCAM). Pós graduando em Planejamento Empresarial e Finanças pela Faculdade Venda Nova do Imigrante (FAVENI). Atualmente é técnico administrativo da Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social (FGTAS). Colunista da Revista N&C e do portal Administradores.com. Profissional com experiência na iniciativa pública e privada. Acredita no poder das novas tecnologias para o avanço do conhecimento e na ruptura da forma tradicional de aprendizagem. Também acredita no poder das tecnologias livres para maior liberdade, inclusão e progresso humanos e na extrema importância da disseminação do conhecimento através de plataformas de ensino livres.

O que você achou do artigo? Comente!

Seu e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios está marcados *

*

Scroll To Top