Home > Marketing pessoal > Será o LinkedIn® restrito a networking?

Será o LinkedIn® restrito a networking?

No texto de hoje vou sair um pouco de minha tradicional abordagem gerencial e falar um pouco sobre algo incrível que ocorreu comigo. O exemplo que trago hoje tem referência com o uso da rede de relações profissionais conhecido como LinkedIn®. Há muito tempo tem-se uma discussão acalorada sobre a forma “adequada” de uso dessa plataforma sob o pretexto de que sua utilidade é, basicamente, para fins de networking. Portanto, há àqueles que defendem seu uso exclusivo para esse fim, em contraste com àqueles que acreditam que a plataforma vai muito além do simples uso para compartilhamento de experiências e oportunidades profissionais.

E entre uma ou outra divergência latente, o fato é que o LinkedIn® é uma rede que pode romper a suposta barreira que fora idealizada originalmente. Se isso é bom ou não, cada um que faça a sua devida reflexão. Entretanto, prefiro não me apegar às críticas que não agregam valor à rede e não auxiliam, em nada, para a sua contínua evolução. Obviamente que há critérios básicos que legitimam a sua orientação e normatização de uso, como, por exemplo, sua finalidade básica que é o cultivo de relações profissionais com troca de experiências e compartilhamento de oportunidades. Mas penso que isso é demasiado restritivo para o potencial dessa rede.

Vou me explicar. Já faz algum tempo que venho cultivando uma abordagem mais aberta em relação às conexões que possuo e às potenciais. Essa abordagem mais “flexível” me permite conectar à pessoas incríveis, uma boa parte “fora” de minha área de atuação. Por exemplo, profissionais de contabilidade, finanças, economistas, vendedores, engenheiros, jornalistas, docentes, estudantes, pesquisadores, etc. Sou Administrador, e  obviamente que tenho, também, muitas conexões e amizades dentro de minha área de atuação. Caso eu seguisse a suposta “doutrina” que alguns pregam sobre a correta utilização da rede, imagine quantas pessoas incríveis eu deixaria de conhecer?

E para avalizar esse meu pensamento, vou trazer um exemplo prático que ocorreu comigo quando do uso da rede. Há cerca de três meses, uma conexão minha compartilhou um post de uma conexão terceira que estava à procura de interessados em formar um grupo de pesquisa acadêmica com o objetivo final de publicar alguns artigos científicos. Sem demora, respondi ao post e fui surpreendido com uma resposta rápida e positiva. Ali iniciou-se algo tão incrível que se transformou em uma amizade e em três submissões de trabalhos em menos de três meses! O grau de alinhamento entre uma pesquisadora acadêmica (ela) e um pesquisador autônomo (eu) não poderia ter sido melhor.

Por isso, faço questão de agradecer a Nathali Teixeira Lopes Kafski – Coach de carreira – pelo compartilhamento do post que me permitiu conhecer Javiera Andrea Rojas del Rio – mestre em Administração – que me concedeu uma oportunidade fantástica de fazer parte de um extraordinário trabalho que, certamente, será publicado em uma das Revistas mais importantes do país sobre o tema que produzimos. E este é, apenas, o início de um trabalho promissor que proporcionará muitos outros frutos inovadores. E é muito maior do que o simples networking. Aliás, mais importante ainda é a amizade que se pôde semear, o alinhamento, a responsabilidade, a flexibilidade, o respeito e a credibilidade que se somaram. Só tenho a agradecer.

Diego Felipe Borges de Amorim on Linkedin
Diego Felipe Borges de Amorim
Bacharel em Administração - Faculdade Equipe (FAE - Sapucaia do Sul RS). Especialista em Gestão de Negócios - Universidade Luterana do Brasil (ULBRA - Canoas RS), Consultoria e Planejamento Empresarial pela Universidade Candido Mendes (UCAM). Pós graduando em Planejamento Empresarial e Finanças pela Faculdade Venda Nova do Imigrante (FAVENI). Atualmente é técnico administrativo da Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social (FGTAS). Colunista da Revista N&C e do portal Administradores.com. Profissional com experiência na iniciativa pública e privada. Acredita no poder das novas tecnologias para o avanço do conhecimento e na ruptura da forma tradicional de aprendizagem. Também acredita no poder das tecnologias livres para maior liberdade, inclusão e progresso humanos e na extrema importância da disseminação do conhecimento através de plataformas de ensino livres.

One comment

  1. Time to face the music armed with this great inoamrftion.

O que você achou do artigo? Comente!

Seu e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios está marcados *

*

Scroll To Top