Home > Finanças pessoais > Poupar e o bolo de laranja: o que tem a ver com você

Poupar e o bolo de laranja: o que tem a ver com você

Nos últimos dias estava tomando um belo café da manhã em uma padaria local junto com alguns colegas de trabalho. Nada fora do normal. Era mais um dia como qualquer outro.

Quando me levantei para ir ao banheiro, me deparei com a seguinte imagem, abaixo:

laranja

 

 

 

 

 

 

 

Acredito que tenham colocado esse aviso por não terem mais troco (a cidade passa por problemas financeiros além de demissões em massa e retração econômica. Então nada como incentivar os compradores através de uma recompensa.

Fiquei imaginando o seguinte:

Quem diabos economizaria 200 reais em moedas?

Sem querer, a padaria incentivou algo interessante e inovador: poupar moedas.

Dado a condição de poupança do brasileiro, existe uma enorme possibilidade de não ter como pagar as contas no fim do mês. Existe uma frase que serve para os endividados: “Falta mês para o fim do salário”

COMO VOCÊ FARIA NESSE CASO?

Veja que você não tem escolha. Se você não possuisse outra escolha a não ser fazer o desafio acima, como você chegaria lá?

Tenho absoluta certeza de que você guarda troco das suas transações comerciais. Estou me referindo ao restaurante, shoppings, mercado, salão, trabalho, contas a pagar e etc….sempre sobra alguma moeda.

Para muitos, elas não valem muita coisa. Afinal, são pequenos valores que não fazem diferença na sua vida.

Mas se você fosse premiado com algo? Quão incentivado você faria?

Você, como qualquer ser humano, é incentivado pela recompensa.

Lembra na época do colégio, onde era premiado com uma nota alta caso acertasse todas as questões?

E no ditado (tarefa onde você escrevia as palavras que a professora ditava), o qual ganhava uma estrela caso não errasse na ortografia?

Você faria de tudo para ser o melhor, creio eu!

No exemplo em questão, um bolo de laranja.

Será possível que você reserve 1 real em trocados, todo o dia? Em quanto tempo você levaria para juntar a grana combinada?

Eu sei que você é preocupado com a aparência e que não quer engordar. Entretanto, cogite a alternativa de doar para quem tem fome. Um morador de rua talvez.

É dito que o dinheiro não compra felicidade. Eu discordo!

Te pergunto: Você não acha que um mendigo iria gostar de um bolo? Quais são as chances dele receber algo parecido ao longo do dia?

Você compra a felicidade quando você destina o objeto comprado para outro. Em outras palavras, quando você dá!

É dando que se recebe

MORAL DO DIA

Aprenda a juntar dinheiro, mesmo que seja pouco. O comportamento padrão do brasileiro não permite esse hábito, tão em falta na nossa população. Você não faz a menor idéia como a vida dessas pessoas seria diferente com um pouquinho mais de disciplina e dedicação. Posso garantir que você gostaria de 200 reais se eu oferecesse a você. É a lei do menor esforço!

Agora, se eu dissesse que você tem que juntar até chegar no mesmo valor, creio que você desistiria logo de cara ou largaria no meio do caminho.

O ser humano é movido pelos seus impulsos instantâneos e não possuia a mentalidade de abdicar-se visando um futuro mais próspero. O que importa é viver o presente e aproveitar “como se não houvesse amanhã”.

Saia do lugar comum e procure se diferenciar da maioria que não possui uma grana sequer e que não quer ver você prosperar. Sim, eles são muitos e estão perto de você.

Quanto mais cedo você começar, melhor pois colherá benefícios nunca antes imaginados. Imagine comprar o que você mais deseja depois de muito tempo guardado. O sabor é mais gostoso.

Espero que tenha gostado.

Deixe seu comentário abaixo sobre alguma experiência curiosa que tenha passado e como você faz para juntar uma grana. Acesse o blog O Dinheirista e confira o meu trabalho voltado para finanças pessoais.

Um grande abraço!

Felipe Cardoso
em
Um maluco que resolveu lidar com o mundo do dinheiro para resolver suas dúvidas e alcançar seus sonhos. Autor do blog de finanças pessoais O Dinheirista com presença no Facebook, Twitter e Instagram.
Scroll To Top