Home > Coaching > Fadiga de decisão: Lide com esse desafio e tome as decisões certas!

Fadiga de decisão: Lide com esse desafio e tome as decisões certas!

“No instante em que é tomada uma nova decisão, entra em movimento uma nova causa, efeito, direção e destinação para a sua vida. Literalmente, você começa a mudar sua existência no momento em que toma uma nova decisão. ” Anthony Robbins.

Você já sentiu que todas as decisões a sua volta eram fundamentais e, ainda assim, algo o paralisou?

Já esteve em meio a um volume imenso de perguntas sem respostas?

Te interessaria aprender a identificar as suas causas e saber como controla-las?

Se você ainda está lendo esse artigo, você deve estar interessado em saber sobre a “fadiga de decisão”

Vamos lá?

Assim que acordamos, no início do primeiro minuto do dia, somos forçados a tomar decisões: o que comer, o que vestir, que caminho escolher para ir para o trabalho, que horas sair de casa.

Tomar decisões não é uma opção, é uma posição obrigatória para que passemos os nossos dias. Certo?

A essas simples decisões diárias, somamos todas as decisões profissionais pelas quais somos responsáveis.

Independente da sua posição na empresa, muitas decisões e escolhas estão nas suas mãos. Caso você seja um líder, o volume e a pressão são ainda maiores, uma vez que você se torna ainda mais responsável pela empresa e por cada um dos seus colaboradores.

Aqui, vale salientar que por mais engajado e comprometido que você seja, não é possível tomar decisões após decisões, sem ser afetado por isso.

Mesmo com altos níveis de disciplina e racionalidade, você pagará um preço por fazer parte desse intenso fluxo. A esse preço damos o nome de FADIGA DE DECISÃO!

Fadiga de decisão: do que se trata?

Você já se sentiu exaurido mentalmente? Já sentiu que as suas forças tinham cessado, além do fator físico?

O princípio da fadiga de decisão dá-se quando nos sentimos cansados, não apenas fisicamente, mas também mentalmente.

No artigo Get Rich Slowly, a colunista Sierra Black explica porque a força de vontade nem sempre é suficiente para que tomemos as melhores decisões. Ela afirma que isso tem a ver com a fadiga de decisão, que é o que ocorre com as pessoas quando elas têm que fazer muitas escolhas. Ou seja, quanto mais decisões você toma, mais o seu cérebro fica cansado, piores são as suas decisões.

Segundo o psicólogo Roy Baumeister, a fadiga de decisão é “A redução da capacidade de fazer escolhas por conta de um cansaço mental. ”

Ainda de acordo com Baumeister, o que provoca esse processo é justamente o excesso de uso da força de vontade. Ou seja: viver situações em que você precisa resistir a tentações e tomar atitudes. Isso acontece o tempo inteiro: açúcar ou adoçante? Nova York ou Londres? Comer pizza ou salada?

Fundamentos da fadiga da decisão:

  1. Sob o ponto de vista da neurociência, a força de vontade pode ser definida como o autocontrole exercido conscientemente e com esforço. Os mesmos estudos sugerem uma forte conexão entre a força de vontade e a tomada de decisão.
  1. De acordo com Baumeister, a força de vontade seria uma espécie de energia mental, com possibilidade de esgotamento e, a esse esgotamento, é dado o nome de ESGOTAMENTO DO EGO.
  1. O processo de decidir e escolher o tempo todo reduz a energia necessária para manter o autocontrole.

Um bom exemplo disso surge quando vamos ao supermercado: depois de passar algum tempo decidindo sobre o que comprar (marcas, quantidades, alternativas), nosso grau de autocontrole diminui e ficamos mais vulneráveis a comprar a primeira guloseima que virmos. Isso já lhe aconteceu?

  1. Um estudo feito na Alemanha, com base em clientes interessados na compra de um carro, revelou os seguintes dados:
  • Clientes expostos a mais decisões no final da compra gastaram, em média, R$4.000,00 a mais em acessórios do que os que receberam menos opções, no início da compra.

Até aqui, você já deve ter percebido alguns dos efeitos nocivos da FADIGA DE DECISÃO.

E se eu te disser que ainda tem mais? Preste atenção.

Efeitos da fadiga da decisão:

  1. O efeito cumulativo do ato de decidir não costuma ser notado por quem está passando por isso. Você pode estar se sentindo bem, fisicamente, embora operando com baixo nível de energia mental.
  1. Quando a capacidade de autorregulação enfraquece, você torna-se mais suscetível a não controlar o próprio comportamento.

Quando isso acontece, mesmo com pessoas mais equilibradas, há um aumento da propensão para:

  • Exibir uma postura inconveniente;
  • Ceder a caprichos e tentações;
  • Perder o foco e a persistência;
  • Ter explosões de raiva e de mau-humor.

Mecanismos de defesa

Para evitar que isso aconteça, o cérebro tende a recorrer a dois atalhos.

Quer conhecê-los?

  1. PARALISIA POR ANÁLISE:

A PARALISIA POR ANÁLISE consiste em não fazer nada.

De uma forma resumida, ela ocorre quando temos diversas opções e não conseguimos escolher racionalmente, o que esgota a nossa mente e acabamos paralisados, sem saber o que fazer.

Por estar cansada de analisar diferentes possibilidades, a decisão é adiada, o que alivia o stress, momentaneamente.

Essa estratégia oferece um alto risco, visto que nem todas as nossas decisões podem ser adiadas.

  1. EXTINÇÃO POR INSTINTO:

A EXTINÇÃO POR INSTINTO consiste em extinguir imediatamente o processo de escolha.

COMO? Tomando a primeira decisão que nos vier à cabeça.

Trata-se de uma decisão impulsiva, que busca aliviar o stress.

Tanto como na primeira opção, essa alternativa oferece um alto risco, visto que essa decisão pode agravar o problema ou, ainda, gerar outros.

Sem decisão, não há ação e, sem ação, não é possível atingir os seus objetivos.

Dito isso, é fundamental que, além de saber o que a FADIGA DE DECISÃO ocasiona, você saiba como lidar com ela. E é para isso que eu estou aqui.

No artigo de hoje, como prêmio a você que está acompanhando as minhas publicações, eu vou incluir um passo a passo de como lidar com esse desafio.

Gostou? Então, vem comigo!!!

Dica de coaching: 5 passos para combater a fadiga de decisão

  1. DIREÇÃO:

  • Defina objetivos motivadores.
  • Estabeleça prioridades.
  1. ORGANIZAÇÃO:

  • Organizar o seu tempo, as suas atividades e o seu ambiente de trabalho.
  • Reescreva a sua agenda e atualize-a, semanalmente.
  1. ESTRUTURAÇÃO:

  • Crie uma rotina estruturada, visando a melhoria de sua qualidade de vida.
  • Adote e fortaleça hábitos saudáveis, como alimentação adequada, exercícios físicos regulares e técnicas para gerenciamento do stress.
  1. EMOÇÃO:

  • Não importa o acontecimento, o fato é que o evento é sempre neutro, a interpretação que você dará a esse fato está diretamente relacionada ao estado emocional em que você se encontra.

Se você entende esse conceito, você entende a importância e o poder dos estados emocionais.

  1. DIVERSÃO:

  • Mantenha o equilíbrio entre trabalho e lazer.
  • Inclua mais momentos de descanso e de descontração em sua vida.

Como sempre falo, de nada adianta a teoria sem a prática.

Nesse caso, essa frase é ainda mais verdadeira.

Então, te desafio a racionalizar as suas decisões, respeitar os próprios limites e desafiar-se a fazer sempre melhor!

Te convido a escolher, no mínimo, uma das dicas que eu compartilhei, a fim de atingir os seus objetivos, com uma melhor qualidade de vida.

Espero que você compre a ideia e mantenha o foco nos seus sonhos, pois é isso que te fará superar, tanto a fadiga de decisão quanto qualquer outro desafio que surgir!

Uma ótima semana, repleta de ótima decisões e um senso incrível de responsabilidade e liberdade!

“Tornando-se um consciente criador de escolhas, você começa a gerar ações que são evolucionárias para você.” Deepak Chopra.

Nathali Teixeira Lopes Kafski on EmailNathali Teixeira Lopes Kafski on FacebookNathali Teixeira Lopes Kafski on Linkedin
Nathali Teixeira Lopes Kafski
- Positive, Pessoal and Professional Coach, na empresa Up2you Coaching e Desenvolvimento Humano.
- Membro da Sociedade Brasileira de Coaching.
- Quinze anos de sólida experiência em gestão e desenvolvimento de equipes de alta performance, em empresas multinacionais de grande porte.
- Alto potencial de trabalho em coordenação e execução de projetos.
- Hábil em contratar, desenvolver e motivar equipes vencedoras.
- Êxito em criação, implementação e acompanhamento de planejamento estratégico.
- Facilidade de adaptação aos diferentes cenários, perfis de equipes e ramos de atuação.
- Espírito de equipe, dinamismo e excelente relacionamento interpessoal complementam o perfil.

Certificações:
- Wellness and Positive Coaching® (SBC) - 2015
- Personal and Professional Coaching® (SBC) - 2015
- Leader as a Coach (Association For Coaching) - 2015

O que você achou do artigo? Comente!

Seu e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios está marcados *

*

Scroll To Top