Home > Estratégia > Administradores para o setor público ou para o setor privado?

Administradores para o setor público ou para o setor privado?

Vamos pensar um pouco mais profundamente sobre a crise política, econômica e social que estamos vivendo. Vamos pensar no custo da corrupção que está em cerca de 70 bilhões ao ano (Ajufe/OAB); nos 11,8 milhões de desempregados em nosso país (IBGE); nos mais de 57 mil assassinatos registrados no ano de 2014 em todo o Brasil (G1). Esses são, apenas, três exemplos dos impactos da recessão que nos acomete, mas há outros tantos que poderiam se somar e aumentar a “conta” cobrada por tamanhas ilicitudes, negligências e irresponsabilidades governamentais ao longo das últimas décadas.

Entretanto, parte da responsabilidade por esta situação que atinge o nosso país também é nossa, pois fomos nós que escolhemos nossos representantes. E não há desculpa para se omitir dessa responsabilidade: embora saibamos das “falhas naturais do sistema”, temos o dever de lutar pelo adequado destino e aplicação de nossos impostos, por processos e estruturas mais eficientes e econômicos, e por mais ética e transparência dos gastos e zelo pela coisa pública. Nosso dever não se encerra nas urnas: ele deve ser exercido no cotidiano de nossa sociedade, através de constante fiscalização e cobrança dos nossos representantes.

Mas a preocupação sobre a correta aplicação de recursos não se limita ao âmbito público. Na verdade, ela avança, inclusive, para a esfera privada. Ao contrário do que a maioria pode pensar, não são, apenas, as organizações públicas as responsáveis pela sociedade: as organizações privadas quando atingem certo porte (tamanho) e grau de importância podem se transformar em interesse público legítimo. Nesses casos, grandes organizações privadas precisam ser gerenciadas com a maior competência e responsabilidade possíveis, pois o seu fracasso gerencial pode impactar profundamente toda uma região. E quantas comunidades foram “arrasadas” pela falência de empresas locais? E quantas empresas que faliram eram de interesse público?

Estas são questões importantes. Veja como a “coisa” não se limita ao âmbito público ou privado: ela pode, inclusive, avançar para um misto entre os dois, ou seja, organizações público-privadas. Consideremos outro exemplo: um fundo previdenciário público que era gerenciado por uma equipe de gestores privados. Esse fundo perdeu 95% de seus recursos após um ato irresponsável de seus gestores que alocaram um percentual elevado de capital do fundo em renda variável. Resumindo, ao agirem contra a lei que regula os fundos previdenciários, fizeram com que o fundo fosse a falência. Houve casos de beneficiários aposentados que se suicidaram após receberem tal notícia. Uma das evidências é que os gestores desse fundo não eram Administradores.

Esse é um clássico exemplo do impacto causado por uma gestão falha. E o “caldo entorna” um pouco mais quando verificamos diversos outros profissionais – muitos sem as devidas competências e habilidades para o cargo – assumindo posições-chave em Órgãos públicos e Organizações privadas de elevado interesse público. Nesses casos, parece que a “gestão profissional” fica em segundo plano. E o resultado de promoções e indicações de caráter puramente pessoal e político, revelam todas as mazelas que emergem em fracassos, escândalos e desempenhos abaixo do razoável.

Porém, essa distorção conceitual sobre o ato de gerenciar não é privilégio de nossos governantes ou de nossos chefes: ela é um paradigma social. Mas porque o cidadão comum acredita que Administrar seja uma função que pode ser exercida por qualquer um? A resposta, talvez esteja no entendimento errôneo que compara a administração de uma casa ou da vida pessoal com a administração de uma Organização (empresa pública, privada, mista, com ou sem fim lucrativo, etc). A primeira, puramente de caráter empírico , pois não há a exigência de qualquer espécie de qualificação prévia (com a exceção de conhecimentos universais básicos). A segunda, exige competências e habilidades muito mais complexas, com alto nível de profundidade, dinamismo e visão abrangente ao lidar com diversos modelos e técnicas que envolvem a Ciência Administrativa.

É oportuno lembrar a frase de uma candidata à prefeitura de uma grande capital. Ela não era Administradora. E graças a Deus, não se elegeu. Dizia ela: “administrar, não é bicho de sete cabeças”. Não que para se candidatar seja exigível ser Administrador, longe disso. Mas quando se assume competências que são legítimas de outro profissional, a coisa muda de figura. Ainda mais quando sabemos que a maioria dos fracassos e escândalos desses últimos tempos partem de “gestões” amadoras. São advogados, economistas, psicólogos, contadores, engenheiros, médicos, sociólogos, etc, diversos profissionais que ocupam cargos de caráter puramente administrativo e que não possuem as devidas competências e habilidades para exercerem tais funções. E são essas as “causas” dos “efeitos” que estamos vivenciando, sabemos.

E embora saibamos disso tudo, ainda, pouco fazemos como sociedade organizada para exigir responsabilidade por desempenho. E é muito difícil “exigir” bom desempenho de quem é isento de competências mínimas exigíveis. Como também é um absurdo identificar organizações familiares que atingem certo “porte” e acabam “derrapando na curva” porque não conseguem perceber a necessidade de profissionalizar sua gestão. São fundadores e sucessores com grande mentalidade empreendedora, mas limitados em conhecimentos técnicos e práticos avançados em Administração, atributos esses que passam a ser exigíveis para acompanhar o crescimento saudável dessas empresas, sua sobrevivência e sua capacidade competitiva.

Nestas últimas semanas, um ferrenho debate sobre o PL 439/2015 tem gerado discussões acaloradas. Trata-se de um Projeto de Lei que dispõe sobre o exercício de atividades no campo da Administração e tem gerado muitos paradigmas que demonstram o alto nível de desconhecimento sobre a legitimidade e a essencialidade do Administrador como profissional. Numa destas discussões, houve quem dissesse que tal Projeto de Lei seria “bom ou interessante” para o setor público, porém não para o setor privado. O motivo, supostamente, seria que o setor privado visa o lucro e tal Projeto de Lei “estrangularia” a capacidade competitiva dessas empresas, uma vez que limitaria o acesso de pessoas com mentalidade empreendedora para tocar esses negócios de forma mais adequada.

Agora, duas perguntas: a aprovação do PL439/2015 “acabaria” com a capacidade empreendedora dessas empresas? Seria o PL 439/2015 fundamental, apenas, para o setor público? As respostas são, respectivamente, não e não! O que se percebe é uma grande confusão sobre o que é Administrar: muitos acham que administrar é sinônimo de empreender; ou que administrar é função básica que não exige competências formais, ou seja, que pode ser exercida por qualquer um; ou, ainda, que administrar deva ser exclusividade de setor público, pois ela é sinônimo de burocracia. Todos esses paradigmas não são novos e revelam o alto grau de desconhecimento sobre o que vem a ser a Ciência Administrativa e sobre a importância do Administrador enquanto profissional. E tal distorção acaba atingindo, inclusive, profissionais de Classe.

É nesse sentido que venho reforçando um diálogo sadio através de minhas publicações sobre o tema. O objetivo maior é sempre construir e reforçar uma discussão profunda com relação à gestão. E isso é fundamental para a sociedade evoluir, chega de retrocessos. Precisamos legitimar nossa profissão e garantir responsabilidade e responsabilização por desempenho.

Diego Felipe Borges de Amorim on Linkedin
Diego Felipe Borges de Amorim
Bacharel em Administração - Faculdade Equipe (FAE - Sapucaia do Sul RS). Especialista em Gestão de Negócios - Universidade Luterana do Brasil (ULBRA - Canoas RS), Consultoria e Planejamento Empresarial pela Universidade Candido Mendes (UCAM). Pós graduando em Planejamento Empresarial e Finanças pela Faculdade Venda Nova do Imigrante (FAVENI). Atualmente é técnico administrativo da Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social (FGTAS). Colunista da Revista N&C e do portal Administradores.com. Profissional com experiência na iniciativa pública e privada. Acredita no poder das novas tecnologias para o avanço do conhecimento e na ruptura da forma tradicional de aprendizagem. Também acredita no poder das tecnologias livres para maior liberdade, inclusão e progresso humanos e na extrema importância da disseminação do conhecimento através de plataformas de ensino livres.

11 comments

  1. An intriguing discussion is worth comment. I think that you should write more on this subject matter, it might not be a taboo subject but usually people do not speak about these issues.
    To the next! Best wishes!!

  2. Very shortly this site will be famous amid all blogging
    people, due to it’s nice content

  3. Yes! Finally someone writes about minecraft.

  4. Hi there, You’ve done a fantastic job. I’ll certainly digg it
    and personally recommend to my friends. I am confident they’ll be benefited from this web site.

  5. I am regular reader, how are you everybody? This post posted at this web page is truly good.

  6. At this time I am going to do my breakfast, afterward having my breakfast coming again to read additional news.

  7. If some one needs expert view concerning blogging afterward i propose him/her to go to see this webpage, Keep up the fastidious work.

  8. We are a gaggle of volunteers and opening a brand new
    scheme in our community. Your web site offered us
    with helpful information to work on. You have done an impressive job and our
    entire group will probably be thankful to you.

  9. I got this website from my friend who informed me regarding this website and at the moment this time I am browsing this site and reading very informative articles or reviews at this time.

  10. Hey! Do you use Twitter? I’d like to follow you if that would be okay.

    I’m undoubtedly enjoying your blog and look forward to new updates.

  11. Have you ever considered about adding a little
    bit more than just your articles? I mean, what you say is
    valuable and all. But think about if you added some great images or videos
    to give your posts more, “pop”! Your content is excellent but with images and
    clips, this site could definitely be one of the most beneficial
    in its field. Superb blog!

O que você achou do artigo? Comente!

Seu e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios está marcados *

*

Scroll To Top